Novo no site?


Login


Esqueceu a Senha? (X)

Recuperar Senha


(X)

Digite sua nova senha


(X)

Já tem uma conta?


Inscreva-se


(X)
Farooq


BLOG LAFIS

Home Blog
  • tecnologia da informação, empresas do setor tecnologia da informação, empresas do segmento tecnologia da informação, setor tecnologia da informação, segmento tecnologia da informação, economia, macroeconomia
    Alardeado como possivelmente o maior negócio de tecnologia da história, a aquisição da EMC Corp. pela Dell envolverá valores de US$ 67 bilhões. A Dell, ao anunciar o acordo em dinheiro e ações, prometeu desempenhar um papel mais central na tecnologia corporativa, e para isso, pretende financiar a aquisição com uma combinação de novas ações ordinárias do diretor-presidente, Michael Dell, da Silver Lake e de outros investidores, a emissão de "tracking stocks" ­ ações vinculadas ao desempenho de uma subsidiária da EMC ­, seus novos financiamentos e o caixa disponível. Não há condições financeiras impostas para o fechamento da transação, afirmou a Dell. Ela divulgou recentemente que tinha cerca de US$ 12 bilhões em dívidas. 

    Essa aquisição corrobora a tendência de valorização dos serviços alicerçados à construção de softwares, algo que observa-se no foco da IBM em investir no nicho de cloud computing, na decisão da HP em dividir os seus negócios entre hardware e software, assim como a Dell, que busca aliar sua expertise na montagem e venda de computadores com a especialização da EMC na oferta de softwares corporativos. Esse movimento da Dell é um reflexo claro dessa tendência, já que nota-se que a montagem de computadores (seja para famílias ou para corporações) ou a confecção de semicondutores tornou-se uma mercadoria próxima a uma commodity (mais homogênea), o que confere baixa diferenciação e baixos preços, logo, baixas margens de lucro. 

    Outro aspecto a ser salientado dessa operação é o fato da Dell somente ter conseguido realizar isso por ter fechado o capital da companhia em 2012, pois os acionistas jamais aprovariam uma decisão tão ousada quanto essa aquisição: a empresa terá que endividar-se significativamente para conseguir recursos para fechar o negócio, sem contar que uma vez fechado, há o processo de consolidação do grupo a fim de captar as sinergias dos 2 negócios – algo que não é trivial. 

    Analista Responsável pelo Setor: Francisco Lira