Novo no site?


Login


Esqueceu a Senha? (X)

Recuperar Senha


(X)

Digite sua nova senha


(X)

Já tem uma conta?


Inscreva-se


(X)
Farooq


BLOG LAFIS

Home Blog
  • soft drinks, empresas do setor soft drinks, empresas do segmento soft drinks, setor soft drinks, segmento soft drinks, economia, macroeconomia
    • Autor
      Lafis
    • Ano
      2020
    • Categoria
    • Analista Responsável
      Lais Cristina
    De acordo com a Pesquisa Industrial Mensal do IBGE, a produção de bebidas não alcoólicas, que agrega toda a fabricação de soft drinks no País, apresentou de janeiro a março de 2020 uma queda de 3,9% em relação ao mesmo período de 2019. Nessa mesma comparação, a produção de bebidas, de modo geral, apresentou uma queda de 4,3%, puxada pela queda ainda mais intensa em bebidas alcoólicas, que caiu 4,7%. O desempenho do segmento foi pior que a indústria de transformação, uma vez que, nesse mesmo período essa apresentou uma queda menos intensa de 0,4%.

    O resultado negativo deveu-se à queda intensa da produção industrial no mês de março, diante das paralisações devido ao avanço da pandemia do Covid-19 no País. Até fevereiro, a produção de bebidas não alcóolicas apresentava uma trajetória positiva, com um crescimento de 1,9% em relação ao mesmo período de 2019.

    Em março de 2020, o resultado representou uma queda de 16,1% em relação a março de 2019. Essa queda foi semelhante à observada no mês de maio de 2018, quando a produção do segmento chegou a registrar uma queda de 16,3% em relação à igual mês do ano anterior.

    A partir das perspectivas da Lafis para a economia ao longo de 2020, e os resultados já observados até o início de abril deste ano, espera-se uma queda de 4,5% na produção de soft drinks no País, atingindo cerca de 25,3 bilhões de litros. A estimativa leva em consideração uma queda expressiva do consumo de bebidas fora do domicílio, mas também uma redução no consumo dentro do lar, tendo em vista a perspectiva de queda da renda das famílias em 2020, o que deve levar a um comportamento de maior cautela pela maior parte das famílias brasileiras, privilegiando o consumo de itens essenciais e substituindo a compra de bebidas prontas por sucos naturais elaborados a partir das frutas in natura ou sucos em pó, ou até mesmo água filtrada.


    Analista do Setor Laís Soares.