Novo no site?


Login


Esqueceu a Senha? (X)

Recuperar Senha


(X)

Digite sua nova senha


(X)

Já tem uma conta?


Inscreva-se


(X)
Farooq


BLOG LAFIS

Home Blog
  • seguros, empresas do setor seguros, empresas do segmento seguros, setor seguros, segmento seguros, economia, macroeconomia
    • Autor
      Lafis
    • Ano
      2016
    • Categoria
    • Analista Responsável
      Fernanda Rodrigues
    Em sua quinta edição, o Allianz Risk Barometer 2016 – relatório anual da Allianz Global Corporate & Speacialty (AGCS), apresentou os resultados obtidos em entrevistas com mais de 800 especialistas em risco e seguros de 40 países. De acordo com os dados, as empresas se dizem cada vez mais preocupadas com o a vulnerabilidade que a globalização impõe ao processo produtivo. Além disso, a constante inovação e migração para os sistemas online tornam os crimes cibernéticos uma nova e crescente preocupação dos gerentes de risco.

    O relatório mostra que o risco de interrupção dos negócios (business interruption - BI) se eleva com a internacionalização da produção ou das fontes de fornecimento. Casos como a incêndio no porto de Tianjin na China, em agosto de 2015, chamaram a atenção para o impacto que desastres locais podem ter a nível mundial – neste caso em particular, interrompendo o fornecimento de insumos para muitas empresas ao redor do mundo. 

    Não só desastres naturais ou acidentes, mas também problemas geopolíticos e socioambientais podem ocasionar perdes decorrentes de BI. Para as seguradoras, isso mostra que eventos regionais podem significar não pedidos de cobertura no local do incidente, mas também em locais além-mar que podem ser prejudicados de alguma maneira pelo ocorrido, através das linhas de seguro de BI.

    De maneira similar, os crimes cibernéticos também estão entrando na pauta de preocupação das empresas. Com o aumento da complexidade dos processos e uso cada vez mais sistemas integrados, torna-se relevante considerar possíveis problemas cibernéticos que venham a paralisar os negócios. Com isso, o calculo dos riscos e a ação preventiva, como securitização destes eventos, impõe às seguradora atenção e esforço neste que, de acordo com especialistas da área, pode ser um dos segmentos de maior crescimento no setor para as próximas décadas.

    Analista Responsável: Robson Poleto