Novo no site?


Login


Esqueceu a Senha? (X)

Recuperar Senha


(X)

Digite sua nova senha


(X)

Já tem uma conta?


Inscreva-se


(X)
Farooq


BLOG LAFIS

Home Blog
  • produtosdelimpeza,setorprodutosdelimpeza,segmentoprodutosdelimpeza,limpezadoméstica,empresasdosetorlimpezadoméstica,setorlimpezadoméstica,segmentolimpezadoméstica,economia,macroeconomia,limpeza,produtos
    De acordo com os dados divulgados no novo Anuário Abipla (Associação Brasileira das Indústrias de Produtos de Limpeza e Afins), os detergentes para lavar roupas são os mais representativos no setor domissanitário, com um faturamento de R$ 6,9 bilhões em 2018, totalizando 993,4 mil toneladas vendidas no período. Apesar do destaque entre as categorias, este resultado representa um crescimento de apenas 0,2% nas vendas deste produto, recuperando pequena parte da queda observada em 2017 (-5,8%). De forma semelhante, o volume de detergente para lavar roupas comercializados em 2018 cresceu 2,2%, mas não o suficiente para recuperar as perdas observadas nos dois anos anteriores (-2,4% em 2016 e -4,0% em 2017).

    Produtos para suavização de tecidos e amaciantes compõem o segundo grupo mais representativo em termos de receita do setor. Em 2018, seu faturamento alcançou R$ 2,3 bilhões (crescimento de 2,7% em relação a 2017). Água sanitária e Detergentes para lavar louça vêm na terceira e quarta posição, com R$ 2,0 bilhões e R$ 1,5 bilhão de faturamento em 2018, respectivamente.

    Ainda que diante de uma pequena recuperação, os resultados positivos mostram a importância deste produto na cesta de consumo das famílias, representando quase 60% do faturamento total do setor. Entretanto, observa-se ainda uma cautela dos consumidores, de modo geral, na aquisição de produtos de maior valor agregado devido à persistência dos reflexos da crise econômica, como alta taxa de desemprego e pouca evolução do rendimento médio.

    Desta forma, a Lafis espera um crescimento de 1,3% no faturamento do setor em 2019 puxado pelo aumento nos preços em decorrência de uma taxa de câmbio elevada, o que impacta diretamente os custos do setor tendo em vista sua dependência por insumos importados, e pela elevação, ainda que pouco significativa, no volume de vendas do setor.

    Especialista do Setor: Fernanda Rodrigues