Novo no site?


Login


Esqueceu a Senha? (X)

Recuperar Senha


(X)

Digite sua nova senha


(X)

Já tem uma conta?


Inscreva-se


(X)
Farooq


BLOG LAFIS

Home Blog
  • produtosdelimpeza,setorprodutosdelimpeza,segmentoprodutosdelimpeza,limpezadoméstica,empresasdosetorlimpezadoméstica,setorlimpezadoméstica,segmentolimpezadoméstica,economia,macroeconomia,limpeza,produtos
    O estudo “Consumidores e Categorias”, realizado pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras), aponta que houve uma redução de 2,4% no gasto médio das famílias nos supermercados em 2018 quando comparado ao mesmo período do ano anterior. Porém, o tíquete médio teve um incremento de R$ 35,00 por compra, enquanto a frequência de ida aos supermercados reduziu 28%, indicando que o consumidor, para economizar, foi menos vezes às compras, mas gastou um pouco mais a cada visita.

    No que diz respeito aos produtos de limpeza, o volume de compra desta cesta permaneceu estável entre 2017 e 2018 (0,8%), da mesma forma que o tíquete médio (0,2%) e o gasto médio (0,4%). Outro ponto importante é a queda na participação do canal “porta a porta” na venda de produtos de limpeza com alta penetração nos lares brasileiros, como a água sanitária. Em 2017, a participação deste canal era de 14% nas vendas deste item, passando para apenas 1% em 2018. Tal perda foi ocasionada, principalmente, pelo avanço na participação das redes de atacado, responsável por 18% das vendas de água sanitária em 2018, enquanto esse percentual era de 3% em 2017. Todos os demais itens da cesta avaliada pela pesquisa apresentaram crescimento do canal atacadista no mesmo período.

    Desta forma, ainda que o supermercado permaneça como o principal canal de venda dos produtos de limpeza, tal segmento vem perdendo espaço para as redes atacadistas diante da lenta retomada da economia, levando à uma mudança de hábitos do consumidor, que volta a realizar compras para abastecimento da despensa em busca de uma maior economia. Ou seja, as famílias seguem mais cautelosas quanto à expansão dos gastos, dispostas a optar por alternativas que lhes proporcionem maior custo-benefício.

    Especialista do Setor  Fernanda Rodrigues