Novo no site?


Login


Esqueceu a Senha? (X)

Recuperar Senha


(X)

Digite sua nova senha


(X)

Já tem uma conta?


Inscreva-se


(X)
Farooq


BLOG LAFIS

Home Blog
  • meios de pagamento, empresas do setor meios de pagamento, empresas do segmento meios de pagamento, setor meios de pagamento, segmento meios de pagamento, economia, macroeconomia
    • Autor
      Lafis
    • Ano
      2010
    • Categoria
    • Analista Responsável
      Fernanda Rodrigues

    O Banco Panamericano, instituição financeira do Grupo Silvio Santos, anunciou na última quarta-feira, dia 25 de agosto, a criação de um cartão de crédito internacional para as 150 mil revendedoras da linha de cosméticos do grupo, a Jequiti. Os cartões serão emitidos nas bandeiras Visa ou Matercard. A empresa anunciou a emissão de 53 mil cartões até o momento, sendo que 26% deste total já foram desbloqueados.

    A meta é criar um capital de giro para as revendedoras, ampliando seus prazos para pagamento dos produtos. Neste contexto, além de aumentarem em 30 dias seus fluxos de caixa, essas poderão elevar suas compras, visto que o cartão possui um limite de crédito de 2,5 vezes o valor das últimas compras na Jequiti. Com o uso dos plásticos, as consultoras poderão oferecer uma condição financeira diferenciada para seus clientes finais, que é um maior prazo para o pagamento. Ressalta-se que os cartões também poderão ser utilizados em outros estabelecimentos e tipos de compras.

    O programa de fidelidade do cartão utiliza bônus em que os pontos se convertem em produtos da própria linha. Conforme anunciado, a cada R$ 100,00 em compras, a revendedora ganhará R$ 2,00 em bônus. O objetivo da empresa é ampliar o uso dos cartões como meio de pagamento e com isso alavancar suas vendas e conseqüentemente, seu faturamento. Segundo a direção do Banco Panamericano, já está sendo criado em conjunto, um seguro de perda e roubo do cartão além de acidentes pessoais, sinalizando um grande leque de possibilidades a serem exploradas em um mercado onde as consultoras se concentram nas classes C, D e E, cuja grande parcela ainda não tem contato com os meios de pagamentos eletrônicos.