Novo no site?


Login


Esqueceu a Senha? (X)

Recuperar Senha


(X)

Digite sua nova senha


(X)

Já tem uma conta?


Inscreva-se


(X)
Farooq


BLOG LAFIS

Home Blog
  • meios de pagamento, empresas do setor meios de pagamento, empresas do segmento meios de pagamento, setor meios de pagamento, segmento meios de pagamento, economia, macroeconomia
    • Autor
      Lafis
    • Ano
      2011
    • Categoria
    • Analista Responsável
      Fernanda Rodrigues
    Após o início da emissão da nova bandeira de cartões "Elo" pelos bancos Bradesco, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, a processadora Fidelity Brasil (FIS) anunciou na última terça, dia 26, que dará um novo salto no mercado de processamento de cartões. Assim, com a nova marca Elo agregada ao seu portfólio, a FIS espera aumentar a distância entre seus concorrentes diretos: CSU, CardSystem, Orbitall e Conductor.

    Até o mês passado, a FIS era dividida entre o banco Bradesco, com 49%, e a americana Fidelity. Entretanto, no processo anterior ao lançamento da bandeira Elo, o banco vendeu sua participação à Companhia Brasileira de Soluções e Serviços (CBSS), administradora dos cartões Visa Vale. A transação acabou por transferir completamente à FIS, o controle de toda a base Elo emitida pelo Bradesco, a linha de pré-pagos da CBSS, além de todos os cartões que serão emitidos pelo futuro Banco Elo - com toda a produção do "Elocard" nas 147 lojas da Ibi Promotora de Vendas, empresa que fora, também, transferida do Bradesco para a CBSS.

    O objetivo e ambição da FIS se justifica na intenção de, além de aumentar sua fatia de mercado no processamento, confirmar a projeção dos bancos emissores do cartão Elo de conquistar 15% do mercado de cartões nos próximos 5 anos, representando em média uma base de 45 milhões de plásticos da nova marca. Plásticos esses, que serão todos processados pela empresa, aumentando substancialmente seu faturamento. Somado a isso, em outubro de 2010, a FIS já havia incorporado ao seu processamento 14 milhões de cartões de emissão do Bradesco, com o total chegando a 40 milhões, além disso, o início da emissão dos vouchers alimentação e refeição pela Caixa, e a linha de produtos que fica debaixo da CBSS, também serão fatores que impulsionarão a escalada do faturamento da FIS.