Novo no site?


Login


Esqueceu a Senha? (X)

Recuperar Senha


(X)

Digite sua nova senha


(X)

Já tem uma conta?


Inscreva-se


(X)
Farooq


BLOG LAFIS

Home Blog
  • móveis, empresas do setor móveis, empresas do segmento móveis, setor móveis, segmento móveis, economia, macroeconomia
    • Autor
      Lafis
    • Ano
      2020
    • Categoria
    • Analista Responsável
      Marcel Carneiro
    De acordo informações do site Móveis de Valor, o setor moveleiro já apresenta tendência de demissões em função dos desdobramentos do COVID-19. Segundo Maristela Cusin Longhi, presidente da Abimóvel (Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário), “pelas estimativas que temos neste momento, o setor já demitiu em torno de 13 mil pessoas”. Esse número corresponde a 5% do contingente de trabalhadores do setor moveleiro que, ainda de acordo com a Abimóvel, gerava 270 mil empregos diretos antes da pandemia, o que corresponde a 8ª cadeia produtiva que mais emprega no país.

     Francio, presidente da Movergs (Associação das Indústrias de Móveis do Estado do Rio Grande do Sul), informa que a entidade fez uma pesquisa para avaliar a situação das indústrias moveleiras gaúchas. “O retorno que tivemos é que elas reduzirão entre 5% e 30% o quadro de funcionários”, admite Francio. Ele lembra que as empresas de móveis no Rio Grande do Sul geravam 40,8 mil postos de trabalho até a chegada da crise.

    A dificuldade de acesso ao crédito e a retração brusca na demanda, além da proibição/restrição de atividades em determinadas regiões são os principais motivos que levará ao aumento do número de demissões do setor no curto prazo.

    Neste sentido, a Lafis destaca que, por mais que as associações setoriais e o Governo tomem medidas para reduzir os impactos da crise do novo coronavírus, os impactos no setor moveleiro e outros setores permanecerá enquanto houver necessidade da manutenção do distanciamento social, principal política adotada mundialmente para mitigar os efeitos do novo vírus.

    Assim, devemos ver nos próximos meses dados bastante reduzidos de produção e vendas do setor e tendência de aumento do número de demissões, cenário que deve perdurar enquanto não houver uma redução clara e consistente no número de infectados e mortos pelo vírus.

    Especialista do Setor Marcel Tau