Novo no site?


Login


Esqueceu a Senha? (X)

Recuperar Senha


(X)

Digite sua nova senha


(X)

Já tem uma conta?


Inscreva-se


(X)
Farooq


BLOG LAFIS

Home Blog
  • bancos, itau empresas, c6 bank, bancos brasileiros, bancen, banco caixa, bancos digitais, financiamento itau, safra financiamentos, banco 24hs, instituições financeiras, banco online, sisbacen, bmg, consorcio sicredi, bitcoin banco, emprestimo online, emprestimo para negativado, crédito, creditas, serasa ecred, emprestimo consignado, cooperativas de crédito, cooperativa de credito

    No dia 3 de outubro, o mercado, em particular o setor bancário, foi surpreendido pelo anúncio da fusão entre dois grandes bancos privados, Itaú e Unibanco, dando origem ao maior banco da América Latina e se colocando entre os 20 maiores do mundo.
    As negociações para a realização da operação duraram cerca de 15 meses mantidas em sigilo por ambos os agentes,  e para tanto, dado o cenário adverso propagado pela intensificação da crise no mercado internacional, a ação entre os dois bancos foi adiada. Sendo assim, o grupo surge como a 17ª maior empresa do mundo em capitalização de mercado, de acordo com dados da própria companhia, com US$ 324 bilhões em ativos, 14,5 milhões de clientes e 21% dos depósitos do sistema bancário no Brasil.
    A transação se deu com base na cotação de mercado das ações dos bancos nos 45 pregões anteriores ao anúncio. Por esse critério, o valor de cada ação preferencial do Itaú para efeito da relação de troca foi fixado em R$ 26,2468, enquanto cada unidade por ação do Itaú ficou em R$ 7,5460. Sendo assim, a Itaúsa, holding do Itaú, deterá 66% da Itaú Unibanco Participações, a empresa que terá o controle do Itaú Unibanco Holding. O restante ficará nas mãos dos controladores do Unibanco.
    Sobretudo, é importante ressaltar que segundo as duas instituições, esta fusão não significa que os bancos estejam em dificuldades, mas reiteram que a medida visa a solidificação do mercado financeiro, lançado-se uma instituição com mais escala e capacidade de competir no exterior. Obviamente há uma elevação na concentração do setor, pois os cinco maiores bancos (Itaú Unibanco, Banco do Brasil, Bradesco, Santander e Caixa Econômica Federal) deterão cerca de 74,3% (ou R$ 450 bilhões) de todo dinheiro depositado no sistema financeiro. Ademais, juntos, eles terão 72,9% dos ativos e 72,2% das operações de crédito. Esta informação é baseada nos balanços de junho.
    Contudo, essa concentração poderá dificultar a redução dos juros e tarifas de serviços, prejudicando o consumidor que iria dispor de menos opções no mercado.
    O mercado de cartões de crédito também será afetado. A fusão entre as duas instituições irá formar a maior emissora de cartões do país. Além disso, a empresa terá nas mãos o controle da Redecard – empresa que administra os sistemas de transmissão de dados das bandeiras MasterCard e Diners. Segundo dados atualizados até outubro, a composição acionária estava composta por acionistas minoritários (36,58% das ações), Citibank (17%), e o restante com Itaú e Unibanco, detendo 23,21% cada um. Mediante a tal fato, o mercado varejista teme aumento nas tarifas, que hoje oscilam entre 1% e 5% do valor da operação como taxa de administração mais o aluguel das máquinas de cartão. Contudo, é importante salientar que a mudança de controle da Redecard não mudará a dinâmica do setor de cartões de crédito, uma vez que o padrão de concorrência permanecerá o mesmo, com a Visanet sendo sua principal concorrente, devendo, portanto, estabecer preços de acordo com essa condição.
    Para se concretizar, a fusão deverá passar pela averiguação do Conselho Administrativo de Defesa da Concorrência (Cade). Entretanto, não deverá encontrar grandes empecilhos para sua conclusão devido a diferença das regras em relação a outros países.