Novo no site?


Login


Esqueceu a Senha? (X)

Recuperar Senha


(X)

Digite sua nova senha


(X)

Já tem uma conta?


Inscreva-se


(X)
Farooq


BLOG LAFIS

Home Blog
  • bancos, itau empresas, c6 bank, bancos brasileiros, bancen, banco caixa, bancos digitais, financiamento itau, safra financiamentos, banco 24hs, instituições financeiras, banco online, sisbacen, bmg, consorcio sicredi, bitcoin banco, emprestimo online, emprestimo para negativado, crédito, creditas, serasa ecred, emprestimo consignado, cooperativas de crédito, cooperativa de credito

    Com a intenção de amenizar os efeitos da crise financeira internacional que alguns bancos tem sentido, o Banco Central decidiu semana passada flexibilizar duas regras de compulsório, colocando à disposição mais dinheiro para eventuais desequilíbrios. A medida resultará na injeção de cerca de R$ 13,2 bilhões no mercado e deve isentar 23 instituições financeiras de pequeno e médio porte do cumprimento dessas exigências.
    As medidas consistem em diminuir o dinheiro que estas instituições financeiras são obrigadas a recolher periodicamente ao Banco Central, liberando mais recursos que podem ser direcionados para outras operações, como a concessão de empréstimos. Segundo nota do Banco Central, a decisão tem "caráter pontual" e foi tomada "com o objetivo de preservar o sistema financeiro nacional dos efeitos da restrição de liquidez que vem sendo observada no sistema financeiro internacional".
    Uma das mudanças está no critério usado para calcular qual parcela de seus depósitos bancários (conta corrente, poupança ou investimentos) deve ser retida pelo BC. Antes, as instituições tinham uma espécie de desconto de R$ 100 milhões sobre o valor a ser recolhido, isto é, um banco que tivesse R$ 1 bilhão a recolher ao BC podia depositar somente R$ 900 milhões. A partir de agora, esse desconto passou para R$ 300 milhões. Esta medida irá liberar cerca de R$ 5,2 bilhões no sistema financeiro.
    A preocupação do BC, é aliviar, principalmente, os bancos médios e pequenos que tem sofrido desde o início do ano com o aumento do custo de captação. Dentre os 177 bancos sujeitos ao compulsório, 23 não necessitarão mais recolher nada por estarem abaixo do limite de R$ 300 milhões.
    Em janeiro de 2008, o Banco Central instituiu a cobrança de compulsório nas carteiras de leasing dos bancos. Os bancos utilizavam estes recursos para captar dinheiro no mercado como forma de escapar do compulsório, os chamados depósitos interfinanceiros. Sendo assim, com a nova regra, foi lançado um novo cronograma, a ser implantado até janeiro de 2009, com a alíquota do recolhimento subindo até o teto de 25%.
    Com a nova medida, o prazo será prorrogado até março de 2009, favorecendo desta maneira os bancos de menor porte, que são os que mais utilizam deste artifício. Com isso, os bancos deixarão de recolher cerca de R$ 8 bilhões adicionais, criando assim um fôlego maior para suas operações.
    Em suma, tais medidas são identificadas como afrouxamento da política monetária, que terão impacto nos bancos de médio e pequeno porte, porém não sinaliza que o Banco Central fará uma trégua nos ajuste da taxa básica de juros (Selic).