Novo no site?


Login


Esqueceu a Senha? (X)

Recuperar Senha


(X)

Digite sua nova senha


(X)

Já tem uma conta?


Inscreva-se


(X)
Farooq


BLOG LAFIS

Home Blog
  • energia elétrica,  economia, macroeconomia, setor distribuição energia, segmento distribuição energia, transmissão energia, setor transmissão energia, segmento transmissão energia
    Segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), a geração de energia elétrica no Sistema Integrado Nacional (SIN) entre janeiro e dezembro de 2020 totalizou 678,26 mil GWh (incluindo energia hidráulica, térmica nuclear e convencional, eólica e solar) o que significou redução de 1,5% em relação ao mesmo período de 2019. Enquanto a geração dos segmentos eólico e solar apresentaram expansão de 1,4% e 18,8%, respectivamente, os demais segmentos apresentaram retração.

    No mesmo sentido, o consumo de energia em 2020, apresentou retração de 1,6%, com crescimento robusto no segmento residencial (+4,1%) e retração nos demais segmentos: -10,5% do consumo comercial e -1,1% do consumo industrial.

    Para 2021, a Lafis considera que haverá crescimento tanto do consumo como da geração de energia elétrica no País, influenciado pela fraca base de recuperação, que favorece o crescimento sobretudo no segmento comercial neste ano e pela manutenção de um nível historicamente elevado do consumo de energia elétrica nas residências, considerando a maior permanência das pessoas nos lares, impulsionado pela maior adoção do home office e do estudo a distância.

    Por fim, a Lafis considera relevante ao longo de 2021 que se observe o comportamento das tarifas de energia elétrica, que apresentam neste ano tendência de alta, considerando as amortizações das dívidas contraídas pelas distribuidoras durante a fase mais crítica da pandemia e reajustes tarifários baseados em índices de preços que apresentaram expansão significativa em 2020. Por outro lado, a aprovação da Medida Provisória (MP) 998/2020 que destina recursos à Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) para redução da tarifa de energia elétrica aos consumidores até 31 de dezembro de 2025, além da proposta da Aneel de devolução de R$ 50,1 bilhões nas contas de energia em cinco anos por cobranças de impostos acima do patamar correto ao longo dos últimos anos, são fatores que podem mitigar os reajustes nas tarifas ao longo de 2021.           

    Especialista do Setor Marcel Tau Carneiro