Novo no site?


Login


Esqueceu a Senha? (X)

Recuperar Senha


(X)

Digite sua nova senha


(X)

Já tem uma conta?


Inscreva-se


(X)
Farooq


BLOG LAFIS

Home Blog
  • embalagens, empresas do setor embalagens, empresas do segmento embalagens, setor embalagens, segmento embalagens, economia, macroeconomia
    • Autor
      Lafis
    • Ano
      2018
    • Categoria
    • Analista Responsável
      Felipe Souza
    O setor vive, há alguns anos, com o crescente apelo da população em se reduzir o consumo de embalagens. Como forma de minimizar tal potencial perda de mercado, as empresas são forçadas a investirem, cada vez mais, em pesquisa e desenvolvimento de embalagens biodegradáveis ou reutilizáveis. 

    Mas a grande questão deste movimento é: esta nova tendência representa uma oportunidade para o desenvolvimento de outras formas de se pensar e inserir o consumo das embalagens de uma forma mais relevante na decisão de comprar ou não o produto (ou seja, não apenas como um invólucro a ser descartado), ou os custos adicionais inerentes ao processo não compensam todo o esforço?

    Se por um lado, este crescente apelo em direção ao consumo de embalagens biodegradáveis possa aumentar os custos do setor , reduzindo assim as margens do setor de forma significativa, por outro, a decisão de se utilizar embalagens “ecologicamente corretas” pode capturar uma demanda disposta a pagar mais por tal embalagem de maior valor agregado, além de fidelizar os clientes às empresas que utilizam tais embalagens em seus produtos.

    Assim, como a tendência do consumo mais consciente de embalagens parece ser irreversível, as marcas que mais rapidamente forem bem sucedidas em desenvolver novas possibilidades de consumo e reaproveitamento das embalagens sairão na frente. Podem, também, abocanhar um mercado que continuará sendo grande e essencial sempre que houver produtos a serem embalados para comercialização. Além do mais, à medida que mais empresas e marcas migram para os bioplásticos, elas aumentarão as cadeias de valor e os processos se tornarão cada vez mais eficientes, reduzindo os custos progressivamente.

    Especialista do Setor Felipe Souza