Novo no site?


Login


Esqueceu a Senha? (X)

Recuperar Senha


(X)

Digite sua nova senha


(X)

Já tem uma conta?


Inscreva-se


(X)
Farooq


BLOG LAFIS

Home Blog
  • ebusiness, empresas do setor ebusiness, empresas do segmento ebusiness, setor ebusiness, segmento ebusiness, economia, macroeconomia
    • Autor
      Lafis
    • Ano
      2015
    • Categoria
    • Analista Responsável
      Fernanda Rodrigues

    O Google anunciou nova estrutura para suas operações ao criar uma nova empresa, a Alphabet, que funcionará como uma holding que controla os vários negócios do grupo. Logo, a Alphabet substituirá o Google como entidade negociada em bolsa e todas as ações do Google serão automaticamente convertidas no mesmo número de ações da Alphabet, com os mesmos direitos.

    Essa mudança num dos maiores players do e-business tem gerado preocupações em torno da mudança da marca, mas afirma-se que a princípio (pelo que foi comunicado) parece pouco provável que uma das marcas mais conhecidas da internet seja substituída por outra sem nenhuma expressividade (apesar de haver a justificativa de que Alphabet é uma denominação que remeterá a melhores resultados de busca por estar ligada à primeira letra do alfabeto). Essa mudança refere-se mais à estrutura acionária e corporativa da empresa, já que havia preocupações constante dos acionistas quanto aos investimentos da companhia, os quais não se focavam somente em reforçar e elevar a eficiência da oferta de publicidade por meio do sistema de busca (o Adwords), mas na aquisição de outros empreendimentos: desde o streaming de música (o Songza) até fabricação de drones (a Titan Aerospace).

    A companhia norte-americana sempre manifestou que buscava inovações capazes de romper paradigmas, o que justificativa tais iniciativas, no entanto, acredita-se que tenha feito a divisão dos negócios através da construção de uma holding com o intuito de satisfazer os acionistas. Enfim, as duas empresas sob o controle da Alphabet serão uma que manterá o núcleo dos negócios de buscas e publicidade online, enquanto a outra incluirá seus novos empreendimentos como o carro autônomo e os termostatos conectados com a internet, por exemplo.

    Analista Responsável pelo Setor de E-business: Francisco Lira