Novo no site?


Login


Esqueceu a Senha? (X)

Recuperar Senha


(X)

Digite sua nova senha


(X)

Já tem uma conta?


Inscreva-se


(X)
Farooq


BLOG LAFIS

Home Blog
  • celulose, empresas do setor celulose, empresas do segmento celulose, setor celulose, segmento celulose, economia, macroeconomia
    • Autor
      Lafis
    • Ano
      2008
    • Categoria
    • Analista Responsável

    Foi anunciado na semana anterior a intenção de compra de ações da Aracruz pela Votorantim Celulose e Papel. Segundo anunciado pela imprensa, a VCP ofereceu R$ 2,7 bilhões para a aquisição de 28% das ações da Aracruz, pertencente à família Lorentzen. O clã Safra completa os três principais grupos controladores da Aracruz, sendo que a VCP já era detentora de ações da empresa.
    Alguns entraves podem bloquear as negociações, como o interesse da Suzano Papel e Celulose em ações da Aracruz e também o contrato de preferência na compra que as famílias Lorentzen e Safra assinaram para si.
    O setor de papel e celulose brasileiro encontra-se em transformação, onde os principais players do mercado optam por uma das duas cadeias de produtos. No caso do papel, as empresas detentoras de marcas importantes devem interagir com o comportamento do mercado interno, principal destino de sua produção. Quanto à celulose, o mercado internacional é o que realmente determina as decisões das empresas.
    No caso da VCP, forte em produtora de papel, pretende ingressar de forma decisiva no mercado de celulose – tornando-se o principal produtor mundial – e aproveitar a vocação brasileira no plantio de eucalipto, matéria-prima pra a celulose de fibra curta. Desta forma, a empresa manteria sua participação no mercado de papéis finos, para o atendimento do mercado nacional e sul-americano, com a celulose sendo responsável por, principalmente, o abastecimento do mercado asiático de papel. O setor de celulose deverá continuar se consolidando, devido a fundamental importância da escala produtiva na competição internacional. A expectativa é que no longo prazo a produção concentre-se em cerca de quatro empresas, aumentando a possibilidade do Brasil confirmar sua posição de principal fornecedor mundial definitivamente.