Novo no site?


Login


Esqueceu a Senha? (X)

Recuperar Senha


(X)

Digite sua nova senha


(X)

Já tem uma conta?


Inscreva-se


(X)
Farooq


BLOG LAFIS

Home Blog
  • carnes, empresas do setor carnes, aves, empresas do setor aves, suinos, empresas do setor suinos,  economia, macroeconomia
    O complexo de carnes, de modo geral, apresentou resultados satisfatórios no ano passado. Após dois anos de dificuldades conjunturais como as operações sanitárias iniciadas pela PF, somado à greve dos caminhoneiros que acabou matando diversas aves prontas para o abate, o setor parece estar se estabilizando com boas perspectivas para o futuro. Um evento mais recente e que contribuiu para a melhora das expectativas, foi a Gripe Africana que, ao diminuir a população animal chinesa, fez com que o gigante asiático aumentasse sua demanda, utilizando inclusive seus estoques de emergência.

    No que se refere às exportações, os volumes embarcados alcançaram 1,847 milhão de toneladas e a receita US$ 7,59 bilhões; os números representam um crescimento de 12,4% e 15,5%, respectivamente, em relação a 2018, superando as projeções realizadas e consolidando o ritmo de crescimento das vendas brasileiras. Impulsionadas pela demanda da China, as vendas atingiram novo recorde, além da manutenção de clientes já consolidados como Emirados Árabes e Rússia, o que reforça o papel de destaque do produto brasileiro, abandonando a imagem ruim gerada ao longo da operação Carne Fraca de 2017. 

    O país asiático representou 26,7% das compras, o que representou acréscimo de 53,2% em relação a 2018. Em termos de receita, China e Hong Kong (protetorado chinês), representaram 52,5% das vendas brasileiras, seguida por Egito (7,1%), Chile (6,4%), Emirados Árabes (3,9%), Irã (3,5%) e Rússia (3,3%). Adicionalmente, os dados reforçam o papel de destaque que os países muçulmanos exercem na balança comercial brasileira, e que exige toda cautela no complexo xadrez geopolítico. De todo modo, as perspectivas para 2020 são positivas, a despeito de já formulada a primeira fase do acordo China e EUA; embora a concorrência norte-americana deva aumentar em produtos oriundos do campo, o Brasil segue com capacidade produtiva de destaque e produtos de alta qualidade.


    Especialista do Setor  Marcos Henrique