Novo no site?


Login


Esqueceu a Senha? (X)

Recuperar Senha


(X)

Digite sua nova senha


(X)

Já tem uma conta?


Inscreva-se


(X)
Farooq


BLOG LAFIS

Home Blog
  • carnes, empresas do setor carnes, aves, empresas do setor aves, suinos, empresas do setor suinos,  economia, macroeconomia
    O IBGE divulgou nesta semana a Pesquisa da Pecuária Municipal (PPM), onde observa que o rebanho bovino cresceu 0,4% em 2019, depois de 2 anos de queda. “Essa leve recuperação foi puxada pelo estado do Mato Grosso, que aumentou seu rebanho em 5,1% e segue como estado com mais cabeças de gado, 31,7 milhões, respondendo por 14,8% do total nacional. Entre as grandes regiões, o maior crescimento de rebanho bovino ocorreu no Nordeste, avançando 2,7%. O Centro-Oeste, contudo, concentrou um terço do rebanho do país (34,5%), seguido pelo Norte (23,1%), que vem crescendo nos últimos anos.”

    O total de galináceos (1,5 bilhão de cabeças) ficou praticamente estável em relação a 2018, com variação de 0,1% (ou 940 mil animais). Já o rebanho suíno caiu 1,6%, totalizando 40,6 milhões de animais, mas o número de matrizes de suínos (4,8 milhões) teve leve alta (0,5%), crescendo pelo terceiro ano consecutivo. A região Sul detém o maior rebanho suíno e concentra 49,5% do total, apesar da queda de 2,4%, no ano, de acordo com a pesquisa. O bom desempenho do setor agropecuário pode ser atribuído, em boa medida, à elevação da produtividade, além da forte demanda externa por proteína animal.

    As exportações de carne bovina (in natura e processada) em setembro somaram 166,4 mil toneladas, alta de 2% ante mesmo mês de 2019, enquanto a receita atingiu US$ 668,7 milhões, contra US$ 679,8 milhões no ano anterior, de acordo com a Abrafrigo. No acumulado do ano, registra-se crescimento de 10% em relação a 2019, com total de 1,46 milhão de toneladas até o mês passado; no que diz respeito às receitas, a alta é ainda mais expressiva, acumulando 20% acima do observado até setembro de 2019.

    Neste sentido, os dados apresentados pelo IBGE reforçam o bom momento vivido pela pecuária brasileira, que vem inclusive abrindo novos mercados e recuperando antigos em função de crises sanitárias recentes. A produtividade, associada ao aumento da área de pastagem, em que pese as críticas dos ambientalistas, tendem a continuar melhorando o desempenho da oferta de proteína animal.

    Especialista do Setor Marcos Henrique.