Novo no site?


Login


Esqueceu a Senha? (X)

Recuperar Senha


(X)

Digite sua nova senha


(X)

Já tem uma conta?


Inscreva-se


(X)
Farooq


BLOG LAFIS

Home Blog
  • linha marrom, empresas do setor linha marrom, setor linha marrom, economia, macroeconomia, linhas branca,  setor linhas branca, eletrodomésticos, portatéis, empresas do setor portatéis, setor portatéis
    De acordo com a Pesquisa Indicador Movimento do Comércio, elaborado a partir da quantidade de consultas à base de dados da Boa Vista, o desempenho do varejo do setor de “Móveis e Eletrodomésticos” apresentou queda de 2,1% em março, na comparação com ajuste sazonal. Nos dados sem ajuste, o acumulado em 12 meses avançou 0,3%. Enquanto isso, as vendas no varejo geral em todo o Brasil, na comparação mensal dessazonalizada, registraram queda de 0,5% em março. Na avaliação acumulada em 12 meses, o indicador subiu 1,4%.

    Enquanto isso, a atividade do setor de “Supermercados, Alimentos e Bebidas” registrou no acumulado em 12 meses, um crescimento de 2,1%. Já a categoria “Combustíveis e Lubrificantes” e “Outros artigos do varejo” apresentaram um crescimento de 1,2% e 2,4%, respectivamente.

    Na comparação com os demais setores, a categoria “Móveis e Eletrodomésticos”, juntamente com a categoria de “Tecidos, Vestuários e Calçados” (-0,8%) apresentaram os piores desempenho em 12 meses, de acordo com a Pesquisa da Boa Vista.

    Por fim, os resultados do indicador revelam a continuidade de um movimento lento de recuperação do consumo de eletrodomésticos no País, assim como dos produtos relacionados ao varejo da moda, dada suas características de bens considerados não essenciais. Tendo em vista o movimento fraco da demanda dessas categorias a retomada mais consistente da produção industrial destes setores deverá ser postergada para o próximo ano. Apesar da expansão do crédito no País, o consumidor ainda está cauteloso diante do cenário de elevado desemprego e maior restrição orçamentária.

    Especialista do Setor Laís Soares

    De acordo com os dados da última Pesquisa Mensal do Comércio do IBGE, o resultado do volume de vendas de eletrodomésticos no varejo em agosto indicou uma trajetória de crescimento mais acelerada para o setor. O segmento apresentou um crescimento de 18% em relação a agosto do ano passado, enquanto o volume de vendas do comércio varejista nacional atingiu um crescimento de 3,6% na mesma comparação.

    No acumulado do ano, o segmento apresenta um crescimento de 8,6% em relação ao mesmo período de 2016, enquanto o varejo nacional acumula um módico crescimento de 0,7%. Todavia, vale ressaltar, a frágil base comparativa do varejo de eletrodomésticos em 2016.

    Desde maio, os resultados do varejo de eletrodomésticos apresentaram um crescimento consecutivo, ancorados pelos recursos decorrentes dos saques nas contas inativas do FGTS geraram um efeito multiplicador positivo nas vendas do comércio varejista brasileiro entre os meses de março e julho, além do plano do Governo Federal de interromper o sinal de TV analógica em todo o País ao longo de 2017, que tem influenciado os consumidores a comprar televisores com tecnologia digital para poder acompanhar a programação da TV.

    A Lafis estimava no primeiro semestre um crescimento de 1,6% e 2,8% para o faturamento do setor de linha branca, marrom e portáteis para o biênio 2017 e 2018. Todavia, vale ressaltar que o movimento observado nos últimos meses ficou acima das expectativas no mercado, o que deverá corroborar para um melhor resultado do setor em 2017.

    Vale considerar, algo pouco destacado, o novo perfil do consumidor sênior, um público com maior potencial de consumo a ser explorado no varejo de eletrodomésticos, segundo Pesquisa da Kantar Worldpanel, os chamados millennials de 65 anos. Esse público está de olho na transformação digital, em busca de uma tecnologia que simplifique seu dia-a-dia, e trata-se de uma população independente, com baixo nível de endividamento, e com renda per capita mais alta e disponível para consumo.

    Especialista do Setor: Laís Soares.


    Redes de varejo informaram ontem que as fabricantes Samsung e LG propuseram reajustes de 2% a 7% em produtos de áudio e vídeo (linha marrom) a ser negociados nos contratos já a partir do mês de janeiro. A escalada do dólar nos últimos meses de 2014, com elevação no preço de componentes, teria pesado nos custos e as empresas dizem que precisam repassar parte do impacto às lojas. Nesse caso, trata-se de recomposição de margem. "A área comercial já foi sondada por dois fornecedores de móveis e dois de televisores, mas não colocaram na mesa um pedido de aumento. Não há muito espaço para reajustar tabela hoje. Vai ser uma briga boa", diz o diretor de uma varejista. As redes observam que o cenário de consumo ainda enfraquecido inviabiliza reajustes de preços da indústria, e poderia levar a perda de participação de mercado das marcas.

    Foi apurado que a Whirlpool (Brastemp e Consul) teria entrado numa queda de braço com a Via Varejo (Casas Bahia, Ponto Frio), meses atrás, por conta de reajustes em linha branca (como refrigerador, lavadora de roupa) que não foram aceitos, inicialmente, pela rede. Esta teria reduzido a compra de linhas da Brastemp e Consul no segundo semestre, gerando mal-estar entre as partes. 

    Esses fatos mostram algumas tendências desenhadas para 2015, cujas vendas devem reduzir e serem acompanhadas de aumentos de preços para manter a lucratividades dos fabricantes (em especial a Whirlpool), os quais possuem um poder de barganha que choca-se também com a capacidade de negociação da Via Varejo, que não é desprezível. Acredita-se que os reajustes nos preços dos eletrodomésicos por conta da variações cambiais não sejam tão severos devido às negociações dos oligopólios envolvendos os fabricantes e varejistas, as quais devam encaminhar-se para um consenso equilibrado (o aumento dos preços não serão baixos, mas também não serão altos). Cabe destacar que muitos estabelecimentos comerciais já realizaram muitas compras em 2014 para ter em estoque produtos que não sofreram com o aumento do dólar, o que coloca ele na posição de não aumentar os preços, porém, isso não deve durar muito. 

    Analista do Setor: Francisco Lira


    Samsung e LG desistem de novas fábricas de eletrodomésticos no Brasil

    Marcas alegam questões de mercado após 2014 abaixo das expectativas para a Linha Branca. As gigantes coreanas Samsung e LG, que continuam a importar produtos para o país, chegaram a anunciar novas fábricas dedicadas à linha branca no interior de São Paulo em 2011, mas desistiram dos projetos no ano seguinte. A unidade da LG ficaria em Paulínia, enquanto a da Samsung estava prevista para Limeira. A fábrica de Paulínia, por exemplo, exigiria um investimento de até R$ 1 bilhão, segundo fontes de mercado. A LG afirma que o projeto foi cancelado, enquanto a Samsung diz que a fábrica de linha branca no Brasil ainda não é totalmente carta fora do baralho. "O projeto de Limeira foi engavetado por questões estratégicas e mercadológicas, mas continua em análise", disse o diretor de produtos para o lar da Samsung, Adelson Coelho. 

    Essas grandes empresas de eletroeletrônicos expuseram uma das principais razões para postergar os investimentos, as perspectivas baixas de crescimento para o setor de linha branca por conta da conjuntura macroeconômica cheia de dificuldades, mas é preciso atentar-se para outro fator do mercado brasileiro: a grande concentração de mercado no setor de linha branca. A produção de geladeiras, máquinas de lavar e fogões tem participação expressiva de duas empresas, a Whirlpool e a Eletrolux, o que torna extremamente complicado inserir-se nesse nicho de mercado brasileiro. No entanto, destaca-se que a LG já mencionava a possibilidade de entrar nessa área ao explorar um público de maior renda e hábitos mais sofisticados, porém, uma conjuntura econômica pouco favorável traz dificuldades adicionais para um investimento ter sucesso, o que explica parte da tal desistência da LG e Samsung. 

    Analista do Setor: Francisco Lira


    A 4ª Vara Cível de São Carlos (SP) aprovou o pedido de recuperação judicial da fabricante de eletrodomésticos Latina. O passivo sujeito a recuperação é de R$ 50 milhões. A expectativa é que a companhia apresente uma proposta para o pagamento aos credores em um prazo de 50 dias. Fundada em São Carlos, em 1994, a Latina fabrica lavadoras, secadoras de roupa, bebedouros, purificadores de ar e ventiladores de teto. De acordo com a companhia, seus produtos estão presentes em 6 milhões de domicílios no Brasil. Ao todo, ela emprega 170 funcionários diretos e gera aproximadamente 500 empregos indiretos. Segundo Julio Mandel, advogado da companhia, as operações continuam normalmente enquanto o processo de recuperação é executado.

    A recuperação judicial é uma caracterísitica do direito civil inerente à lei de falências que permite a empresa, diante da incapacidade temporária de honrar suas dívidas e manter suas operações, de reestruturar suas relações com os credores. 

    A recuperação judicial da Latina revela as dificuldades das fabricantes de eletrodomésticos do Brasil, com destaque para a acirrada competição estrangeira oriundas das importações e dos aumentos de custos, (os quais não podem ser repassados ao preço do produto). E reforça a ideia de que o setor pelo menos na parte de linha branca, tende a ficar com maior concentração de mercado. 


    Desde fevereiro deste ano, o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) passou regular a qualidade dos eletrodomésticos brasileiros com base na emissão de ruído. Essa regulação vai afetar os produtores e importadores desses produtos através de um selo que vai mensurar o nível de ruído do produto na escala de 1 (mais silencioso) a 5 (menos silencioso). 

    Esta medida implica em mais incômodos para os produtores nacionais de eletrodomésticos, os quais terão mais custos para adaptar suas linhas de produção às novas regras. Entretanto, as entidades de classe do setor (até o momento) não se manifestaram violentamente contra a medida o que leva deduzir que o impacto seja pequeno. 

    O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou, em reunião extraordinária, a ampliação da lista de produtos que podem ser adquiridos por meio do programa Minha Casa Melhor.

    os beneficiários do Programa Minha Casa, Minha Vida poderão comprar, além dos produtos que já estavam inclusos, tablet, forno de micro-ondas, móveis para cozinha e estante ou rack. O preço máximo definido para o tablet é de R$ 800; do micro-ondas, R$ 350; dos móveis para cozinha, R$ 600; e de estante ou rack, R$ 350. 

    Ademais, o CMN atualizou os valores dos limites para aquisição dos produtos que já estavam na lista do Minha Casa Melhor, com o intuito de elevar a qualidade dos produtos ofertados.

    Tais políticas tendem a estimular as vendas do comércio varejista, para os produtos inclusos no benefício, em um cenário em que o alto endividamento das famílias desestimula o consumo. No entanto, é importante destacar que o limite de crédito oferecido para as familias inclusas no programa permaneceu em R$ 5 mil, o que deve levar a uma maior concorrência das empresas dos segmentos favorecidos junto aos consumidores. 

    O governo do estado do Paraná se comprometeu a dar incentivos fiscais, como redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para a Eletrolux. Isso porque a empresa planeja construir uma nova fábrica em Rio Negro, no sul do Paraná.

    O investimento gira em torno de R$ 250 milhões para a construção da unidade, que produzirá refrigeradores, freezers e máquinas de lavar. Entretanto esse valor não foi confirmado pela empresa e para a realização do projeto é necessário o aval da matriz, na Suécia.

    A Electrolux é a vice-líder do setor no Brasil, com 22% de participação de mercado, atrás da Whirpool, dona das marcas Brastemp e Consul, que detém 32%. Com essa nova fábrica, a tendência é de crescimento no território nacional. Vale destacar que no aspecto econômico, os incentivos fiscais do Governo fomenta o crescimento da atividade e além disso gera empregos, renda e um maior consumo. Nessa nova unidade, serão criados cerca de 600 empregos diretos e outras duas mil vagas indiretas.

    Conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a produção industrial nacional, tanto na passagem de dezembro de 2011 para janeiro 2012 como em igual período do ano passado, só não caiu mais em função do crescimento da produção de eletrodomésticos da linha branca e marrom. Segundo dados do instituto, a fabricação de eletrodomésticos da linha branca subiu 7,6% em janeiro em relação ao mesmo período do ano anterior (o aumento na produção dos produtos da linha marrom foi de 34,6% na mesma base de comparação). Este comportamento sugere o efeito positivo da redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) em 2012 para o segmento (o imposto da lavadora foi de 20% para 10%; refrigerador de 15% para 5%; e fogão de 4% para zero). 

    Já os dados do Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV) mostram que as vendas de eletrodomésticos da linha branca aumentaram 22,63%, em média, entre dezembro e fevereiro na comparação com o mesmo período do ano anterior. Os dados se referem a geladeira, fogão, lavadora e tanquinho.

    Com o bom resultado apresentado pelo segmento nos primeiros meses do ano, o Governo Federal anunciou em 26 de março a prorrogação da redução do IPI por mais três meses, até o final de junho. O Ministério da Fazenda prevê que o governo deixará de arrecadar R$ 489 milhões com as desonerações. Em contrapartida, os setores beneficiados não poderão demitir trabalhadores. As medidas estão sendo adotadas pelo Governo dentro da sua política de estímulo ao consumo, a fim de incentivar o aquecimento do nível de atividade.


    Foi anunciada, no dia 16 de fevereiro, a instalação de uma fábrica da multinacional japonesa Panasonic, para a produção de refrigeradores e máquinas de lavar. Atualmente, o único produto desse segmento produzido no país pela empresa é o forno microondas. A unidade fabril será implantada em Extrema (MG), a cerca de 490 quilômetros da capital mineira. O investimento para essa obra será de R$ 200 milhões, e deverá ser finalizado até o final de 2012. Estima-se que serão gerados, nessa fábrica, cerca de 400 empregos diretos. Em uma segunda etapa da obra, a empresa pretende inaugurar um centro de pesquisa e desenvolvimento na cidade, além de ampliar a produção para outros eletrodomésticos da linha branca.

    A Panasonic, que já possui no Brasil duas fábricas atuantes na chamada linha marrom, pretende, com esse investimento, produzir 700 mil refrigeradores e 200 mil máquinas de lavar, almejando alcançar 10% do mercado nacional de linha branca. O Brasil é o país que apresentou maior crescimento das vendas dos produtos do grupo em 2010, tornando-se o mais atrativo para os desembolsos da empresa, que visa atender, principalmente, o mercado consumidor da cidade de São Paulo. A escolha da cidade de Extrema é estratégica, pois ela se localiza próxima ao estado de São Paulo, porém, com incentivos fiscais do governo mineiro.

    A demanda por bens duráveis em 2010, refletida no aumento de 18,3% no volume de vendas do segmento de Móveis e Eletrodomésticos, segundo a Pesquisa Mensal do Comércio, realizada pelo IBGE, foi impulsionada pelo aumento do rendimento médio auferido pela população brasileira, que se configura como uma das principais variáveis que determinam o consumo desse tipo de bem. Espera-se, para os próximos anos, a continuidade da expansão dos indicadores do mercado de trabalho, o que condiz com boas perspectivas de crescimento do setor de Linha Branca no período em questão. Os bons números esperados para o setor, somados a uma conjuntura favorável para o biênio seguinte, explicam a escolha do país para a realização do investimento da Panasonic nesse segmento.

    Tendo em vista o mercado brasileiro de Linha branca, que atualmente é liderado por empresas multinacionais como Whirlpool (marcas Brastemp, Consul e Kitchen Aid) e Eletroclux, a companhia coreana LG decidiu investir para aumentar sua participação, até então tímida, nesse segmento. Com um montante de cerca de R$ 527 milhões, a LG planeja construir uma fábrica de refrigeradores, microondas, lavadoras e secadoras de roupa, que se localizará em Paulínia (SP). O empreendimento deverá ser concluído até o final do ano.

    Com essa unidade fabril, a LG pretende quadruplicar sua capacidade instalada no país e ampliar sua produção. No entanto, o volume a ser produzido não foi divulgado pela empresa. Além disso, a produção local diminuirá custos e proporcionará ganhos de escala na produção, que deverá estar voltada, principalmente para a classe C. Segundo a própria diretoria, a redução de preço da linha branca produzida internamente, em relação ao produto importado, seria de, aproximadamente, 30%.

    O setor de Linha Branca, Marrom e Portáteis, por estar diretamente relacionado com os indicadores do mercado de trabalho, possui ótimas perspectivas de demanda e crescimento para os próximos anos. A decisão da companhia, de investir em uma fábrica no país, condiz com essas perspectivas de demanda futura, pois a conjuntura econômica está favorável para o consumo de bens duráveis, como é o caso dos refrigeradores, dado o aumento do poder de compra da população, que tende a adquirir produtos que possuem maior valor agregado.

     


    Pertencente ao grupo espanhol Taurus, a Mallory pretende triplicar de tamanho com investimentos de US$ 30 milhões até 2012. No Brasil, será implantada a terceira fábrica da empresa, que custará US$ 10 milhões e irá gerar 250 empregos diretos. Os outros US$ 20 milhões serão destinados a construção de um centro de distribuição que, assim como a nova fábrica, irá se localizar em Maranguape (CE), além do desenvolvimento de novas linhas de produtos.

    O grupo Taurus tem presença em 27 países e possui nove fábricas espalhadas pelo mundo. Segundo divulgado pela imprensa, a Mallory representa cerca de 25% do total de vendas. Com esses investimentos, o grupo pretende triplicar o tamanho da empresa até 2015. Na nova unidade brasileira serão produzidos eletroportáteis, como liquidificadores, batedeiras, ferros de passar, mixers e multiprocessadores. A produção da nova unidade irá atender a demanda, principalmente, das regiões Norte e Sul.

    Segundo dados divulgados pelo IBGE, a produção de eletroportáteis registrou crescimento de 30,2% no acumulado até agosto de 2010, ante o mesmo período no ano anterior. Esse investimento acompanha o crescimento do poder de compra da população brasileira, que vem se elevando nos últimos anos. Com a atividade industrial em bom momento, o que acarreta em aumento da massa salarial e queda do desemprego, espera-se impactos positivos no setor, que pode ampliar suas vendas, principalmente no que se refere às compras de final de ano. O baixo valor dos itens é um atrativo principalmente para estratos sociais médios e baixos, o que possibilita, através do crediário, boas perspectivas de demanda fortemente calcadas na inclusão social.


    A fabricante de eletroeletrônicos Semp Toshiba irá nacionalizar a produção de telas LCD utilizadas em televisores e monitores fabricados pela empresa. As telas utilizadas, assim como outros componentes dos televisores e monitores, eram importados da Ásia. As telas serão produzidas pela fábrica da empresa localizada na Zona Franca de Manaus (AM). O investimento para adaptação de sua fábrica e criação da nova linha de produtos é de R$ 54 milhões e irá gerar 161 empregos diretos.

    A empresa é a quinta fabricante que anuncia a produção nacional das telas de LCD em 2010. A redução de impostos sobre a vendas de televisores é um grande atrativo para as empresas produzirem localmente os componentes de seus televisores. A venda de televisores, a partir da Zona Franca de Manaus, que possui redução de 55% sobre os impostos de vendas, passa a ter redução de 75% para aquelas que trocarem a tela utilizada por uma fabricada internamente.

    Segundo dados divulgados pela imprensa, a produção de televisores LCD encerrou o mês de julho de 2010 em 4,3 milhões de unidades, a de maior participação no total produzido. Segundo dados do IBGE, a produção da linha marrom apresentou, no acumulado até agosto de 2010, crescimento de 48,8% ante o mesmo período do ano anterior. Com aumento do poder de compra da população, devido a uma atividade industrial em bom momento em conjunto com a queda do desemprego, espera-se que o número de televisores vendidos se eleve muito até o final do ano, o que irá impactar diretamente no faturamento do setor.


    A coreana Samsung irá montar uma fábrica de telas de cristal líquido (LCD) no Brasil. O investimento deverá ultrapassar os R$ 290 milhões, segundo apurado pelo jornal Valor Econômico. Nos primeiros 12 meses, serão investidos cerca de R$ 90 milhões nesse projeto. É o maior investimento desse tipo feito no país por empresas multinacionais de eletrônicos. A fábrica será instalada na Zona Franca de Manaus e produzirá televisores com tecnologia LED.

    A Samsung, com essa nova unidade, irá melhorar os seus prazos de entrega, além de produzir televisores com um menor custo, já que os componentes não serão mais importados, com os aparelhos sendo montados localmente em um processo de produção mais complexo e com uma menor incidência de impostos sobre a produção desse tipo de bem. Pelos planos da empresa, serão montados, no primeiro ano, cerca de 1,6 milhões de unidades, no segundo, 1,8 milhões de unidades e no terceiro, 2,2 milhões de unidades deverão ser produzidas.

    O investimento vai de encontro com o Processo Produtivo Básico para as telas de LCD, uma série de regras aprovadas pelo governo, que reduzem os impostos para quem produzir no país. Além disso, com o aumento do rendimento médio da população e com a ascensão das classes de renda mais baixa como potenciais consumidores de bens duráveis, a Samsung planeja adentrar sua marca de maneira mais forte no mercado brasileiro.


    A empresa sueca Eletrolux anunciou investimentos no Brasil para os próximos 5 anos, que serão destinados para a construção de novas plantas da empresa no país e para a ampliação da capacidade produtiva das fábricas aqui já instaladas. O orçamento para novos investimentos da Eletrolux está próximo de € 300 milhões e, segundo declarações dos próprios executivos da empresa, o país receberá uma parcela maior dos recursos nos próximos anos. Contudo, ainda não foi revelado nenhum detalhe sobre os valores que serão invertidos no país. Em 2009, a receita da empresa no Brasil se elevou em 32%, atingindo R$ 3,24 bilhões.

    Operando no país com cerca de 90% da capacidade instalada, os recursos destinados para as cinco fábricas brasileiras pretendem ampliar a capacidade produtiva em cerca de 20%. A empresa, tendo em vista a concorrência atual, pretende entrar em novos segmentos, como foi o caso dos condicionadores de ar split. Somente este ano, a empresa contratou 1,5 mil pessoas no Brasil.

    Esses investimentos acompanham a tendência positiva de aquecimento da produção da linha branca no país neste ano. Segundo dados do IBGE, houve crescimento da produção brasileira de "Eletrodomésticos da Linha Branca", que registrou o melhor resultado dos primeiros trimestres de toda a série histórica. Os dados referentes ao volume de vendas de "Móveis e Eletrodomésticos" também apresentaram ótimo resultado no primeiro trimestre de 2010, indicando que o crescimento da massa salarial e do rendimento médio da população impactaram positivamente no setor. Espera-se, portanto, com a manutenção do crescimento do rendimento médio, uma tendência de aumento na produção e nas vendas do setor, mesmo após o fim da isenção do IPI da linha branca. No longo prazo, porém, com a possibilidade de crédito mais caro, pode haver desaceleração nesse crescimento.


    Segundo informações divulgadas pela imprensa, a Philco, marca pertencente a Brittania, que comercializa eletroportáteis, prepara-se para produção de televisores com tela de cristal líquido (LCD), bem como modelos de tubo, em território nacional. O projeto prevê que a produção será feita em Manaus (AM), com estimativa de 120 mil televisores de LCD e 240 mil de tubo no primeiro ano, saltando para 264 mil e 265 mil, respectivamente, nos dois anos seguintes. Ainda segundo a imprensa, o investimento será de R$ 62 milhões no capital de giro utilizado para viabilizar as operações no primeiro ano.

    Embora a data inicial da produção ainda não esteja acertada, o projeto visa ampliar o número de bens comercializados pela Philco, que busca aproveitar o bom momento tendo em vista o aumento do crédito e os bons resultados do varejo nacional, isso sem contar que existe a perspectiva de que 2010 seja um ano bastante positivo para a demanda por televisores, em virtude da transmissão da Copa do Mundo de Futebol.

    Apesar do mercado de linha marrom ter sido duramente prejudicado, em 2009, pelos efeitos da crise internacional, a demanda por televisores de LCD não parou de crescer, devido a seu enorme mercado potencial, decorrente da substituição dos modelos mais antigos (tubo de imagem), o segmento vem apresentando, desde 2004, uma evolução anual acima de 100%. Nesse ponto,a produção em território brasileiro poderia se beneficiar de auxílio governamental viabilizando sua expansão e assegurando uma fatia de mercado considerável, principalmente quando se trata do consumo da classe C.


    Na trilha das medidas de caráter contra-cíclicas, o governo optou, dia 17/04, pela desoneração do IPI para os produtos de linha branca por um prazo de três meses. A redução será de 15% para 5% em se tratando das geladeiras e isenção total para o caso dos fogões e tanquinhos, cujas alíquotas eram de 5% e 10% anteriormente à implementação da medida. As máquinas de lavar, por sua vez, obterão isenção de 10%, o que reduzirá o imposto pago pelo fabricante à metade.
    A perda de receita decorrente desse "alívio" fiscal aos fabricantes será compensada com o aumento do IPI para bebidas alcoólicas e cigarros, o que se mostra bastante razoável uma vez que o consumo desse tipo de produto é pouco atingido em épocas de crise. Ao contrário, existem estudos que afirmam que a depauperação das expectativas faz com que o consumidor procure bens que propiciam uma "fuga" da realidade e bem estar imediato. Um ponto de risco é a possibilidade de que o consumo das bebidas e cigarros seja redirecionado para os produtos piratas, o que prejudicaria as contas públicas ainda mais, mesmo com a recente queda da meta de superávit primário.
    Com a isenção de impostos espera-se que seja criado um choque positivo na demanda fazendo com que o consumidor possa aproveitar o período para troca de eletrodomésticos, sobretudo aqueles que apresentam vantagens tecnólogicas recentemente tornadas acessíveis ao consumidor de renda média, como é o caso dos refrigeradores "frost free". Caso a medida obtenha resultados positivos, contendo as demissões da indústria, é perfeitamente possível que o governo amplie o prazo de isenção como fez com o imposto para os automóveis.

    A fabricante de linha branca e portáteis, Britânia, demitiu na última semana de fevereiro, 370 funcionários de sua fábrica em Camaçari, Bahia. As demissões vêm na esteira do fechamento desta unidade e deslocamento da produção para a recém concluída fábrica em Joinville, Santa Catarina.
    A queda da demanda ocasionada pela crise e os ganhos com a integração logística, uma vez que a unidade catarinense pode absorver a produção da extinta fábrica de Camaçari, foram os principais motivos anunciados pela administração da Britânia para justificar a demissão.
     A fábrica havia sido instalada em 2003 e contou com investimento de R$ 35 milhões, com objetivo de responder por 30% da produção total da empresa. A produção da planta era de 1,2 milhão de unidades por ano, especialmente ventiladores.
    Como boa parte do setor de eletroeletrônicos, a Britânia acabou sentindo a contração nas vendas vinda do aperto no crédito, principalmente para o consumidor de baixa renda. Nota-se que a inadimplência cresceu 8% em 2008, um dos motivos citados pelos bancos como justificativa para aumentar o custo do empréstimo. Entretanto, existem alegações por parte dos sindicatos de metalúrgicos de que a empresa se aproveitou do cenário composto pela crise internacional para reestruturar sua produção isentando-se das obrigações sociais.

    A empresa mexicana Mabe responsável pela linha GE e Dako no Brasil desde 2003, lança sua marca homônima visando o aumento da participação de 17% que detém no mercado de linha branca. Foram realizados investimentos superiores à R$ 60 milhões para o desenvolvimento dos produtos nas unidades fabris localizadas em Campinas e Itu, interior de São Paulo, e existe a perspectiva de investimentos, no montante de R$ 100 milhões nos próximos cinco anos, para a inserção e consolidação da marca no mercado.
    A Mabe faturou no país em 2007 aproximadamente R$ 1,2 bilhão e pretende ampliar esse valor para o ano de 2008, atingindo R$ 1,4 bilhão. Para isso, objetiva atingir a maior gama possível de consumidores completando seu portfólio com o lançamento da nova marca, cujo foco principal será o consumidor da classe B.